moça sorrindo com dentista segurando o queixo dela para ver se ela tem bruxismo

Dra. Jussara Armond

Um sono tranquilo pode ser interrompido pelos sons produzidos quando se bate/range os dentes. Relacionado à atividade parafuncional da musculatura mastigatória, esse ato, conhecido como bruxismo, pode causar problemas sérios. Dentre eles:

  • Desgaste do esmalte dentário e até mesmo da dentina;
  • Quebra dos dentes e próteses;
  • Dor e mobilidade dos dentes;
  • Dor orofacial devido à força com que os músculos maxilares são pressionados;
  • Cefaleia temporal;
  • Fadiga facial geral;
  • Dor na articulação temporomandibular.

Estudos epidemiológicos, analisados e publicados pela Revista Brasileira de Odontologia, revelam que a maior parte dos sintomas é relatada por pessoas de 20 a 40 anos, e sua origem é complexa e multifatorial.

Não se sabe exatamente o porquê, mas o bruxismo acomete 15% das crianças. Além disso, acredita-se que 85% a 90% da população range os dentes em algum grau durante a vida. Porém, somente 5% dessas pessoas apresenta o bruxismo como condição clínica.

Os eventos de bruxismo ocorrem principalmente durante o sono leve (N1 e N2) e mais raramente no sono REM (menos de 10%). Grande parte dos episódios está associada a movimentos corporais leves e há uma correlação com os microdespertares.

Os microdespertares são atividades naturais que ocorrem de 8 a 15 vezes por hora durante o sono. Nestes momentos há ativação dos músculos mastigatórios e ocorrem movimentos rítmicos da mandíbula. Em alguns casos, estes movimentos podem ser exacerbados, ocasionando o bruxismo.

Quais as causas do bruxismo?

A origem do bruxismo ainda é obscura e vários são os fatores que podem estar relacionados ao seu aparecimento:

  • Uso de medicamentos;
  • Drogas como ecstasy, cocaína e anfetaminas;
  • Estresse emocional;
  • Fatores genéticos
Também é possível relacionar o bruxismo a:
  • Má oclusão dos dentes;
  • Apneia do sono;
  • Doença de Parkinson;
  • Refluxo gastroesofágico.

Quais os sintomas do bruxismo?

Na maioria das vezes, a pessoa descobre que tem bruxismo quando alguém relata que presenciou o ranger dos dentes enquanto ela dormia. O médico e o dentista também podem identificar alguns sinais e sintomas como:

  • Desgaste e mobilidade dos dentes;
  • Dor de cabeça;
  • Dor e zumbido no ouvido;
  • Dor no pescoço, na mandíbula e nos músculos da face por causa do esforço realizado pelos músculos da mastigação;
  • Estalos ao abrir e fechar a boca;
  • Alterações do sono.

Como é feito o diagnóstico?

Além da avaliação clínica, a polissonografia é um exame importante para identificar o grau do distúrbio e orientar o tratamento.
Durante a polissonografia, o paciente dorme com eletrodos fixados ao corpo, o que permite o registro simultâneo de variáveis eletrofisiológicas como a atividade elétrica cerebral, o movimento dos olhos, a atividade dos músculos, a frequência cardíaca, o fluxo e o esforço respiratório, a oxigenação do sangue, o ronco e a posição corpórea.

Qual o tratamento indicado?

O dentista pode recomendar o uso de placas para evitar a pressão, ou o ranger de dentes durante o sono. As placas interoclusais podem ser flexíveis de silicone ou rígidas de acrílico, moldadas segundo o formato da arcada dentária do paciente.

Elas ajudam a restringir os movimentos dos músculos mastigatórios e a reduzir o atrito que provoca o desgaste e o abalo dos dentes.

Além disso, o especialista pode sugerir formas de reduzir o estresse. Medicamentos ansiolíticos podem ser úteis para o controle dos quadros de ansiedade que podem estar associados.
Atualmente é utilizada a toxina botulínica nos músculos orofaciais com o objetivo de reduzir a força da musculatura.

Investir no bem-estar e em alguns hábitos também pode ajudar. Aqui vão alguns deles:

  • Consulte o dentista regularmente;
  • Observe se você costuma apertar os dentes enquanto executa algumas tarefas;
  • Evite morder objetos como canetas e lápis;
  • Invista em atividades físicas;
  • Use a placa oclusal corretamente se ela for indicada;
  • Evite alimentos como chocolate e bebidas que contenham cafeína e álcool;
  • Peça a seu dentista que indique alguns exercícios para relaxar os músculos maxilares durante o dia;
  • Cuide da chamada ‘higiene do sono’. Isso significa dormir em ambiente escuro, sem barulho e sem a presença de equipamentos como televisão, celular ou tablet.

Gostou do texto? Leia mais conteúdos como esse em nossa Editoria Saúde Bucal, e siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook e Instagram).