Oftalmologista fazendo o exame de Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) em uma paciente idosa

Dra. Adriana Bonfioli

A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é caracterizada por alterações na mácula, região central da retina responsável pela visão dos detalhes. Existem dois tipos de degeneração macular: seca e úmida.

Degeneração Macular Seca

A degeneração macular seca é o tipo mais comum, ocorrendo em 90% dos pacientes, e tende a ser bilateral, mesmo que um olho seja comprometido antes do outro. O paciente perde lentamente a visão central, o que dificulta ler, dirigir e reconhecer rostos.

Figura representativa da Degeneração Macular Relacionada à Idade

Degeneração Macular Úmida

Mais grave, a degeneração macular úmida acontece quando há uma formação anormal de vasos na coróide, camada localizada abaixo da retina. Forma-se uma estrutura chamada membrana neovascular subretiniana, que cresce e progride em direção à mácula.

Os vasos anômalos podem extravasar fluidos e sangue, levando ao inchaço (edema), sangramento (hemorragia) e lesão das células da retina.

A progressão da degeneração macular úmida é mais rápida e grave, podendo levar rapidamente à perda da visão central.

Fatores de risco da DMRI

Quadro clínico

Inicialmente, o quadro da DMRI é assintomático e o diagnóstico é feito pelo oftalmologista ao observar alterações no exame de fundo de olho.

Com a progressão da doença, o paciente apresenta dificuldade para ler, para dirigir e reconhecer faces. Outro sinal precoce é a distorção das imagens. A formação da membrana neovascular na forma úmida leva a perda da visão central, muitas vezes abrupta. O paciente percebe uma mancha no centro da visão.

Os sintomas de degeneração macular mais comuns são:

  • Visão turva ou distorcida
  • Dificuldades em se adaptar a ambientes pouco iluminados
  • Dificuldades em reconhecer pessoas
  • Incapacidade de enxergar detalhes (de perto ou de longe)
  • Perda da visão central em um ou nos dois olhos

Diagnóstico da DMRI

Mesmo na fase inicial, quando não há sintomas, a degeneração macular pode ser diagnosticada através de um exame do fundo do olho, quando a mácula apresenta depósitos amarelados chamados drusas.

Exames complementares são necessários para confirmar o diagnóstico de degeneração macular:

  • Angiofluoresceinografia: exame em que um contraste venoso é utilizado para se observar alterações no fundo do olho como a presença de membranas neovasculares, edema e extravasamento do contraste.
  • Tomografia de Coerência Óptica (OCT): exame que avalia a retina e a coróide utilizando um feixe de luz capaz de realizar cortes ópticos dos tecidos e representá-los graficamente.

Você pode conhecer um pouco mais sobre eles ao ler “Exames complementares em Oftalmologia”.

Acompanhamento

Os pacientes que sofrem com a degeneração macular devem ser acompanhados por um oftalmologista e também testar sua visão periodicamente em casa.

A Tela de Amsler é muito utilizada para acompanhar e detectar precocemente alterações visuais como distorção e manchas. O paciente foca a visão no ponto central e observa se as linhas em torno dele aparentam estar tortas ou manchadas.

Tratamento

Não existe tratamento eficaz para a degeneração macular seca. Recomenda-se uma dieta balanceada e suplementos vitamínicos contendo vitamina C, vitamina E, Ômega 3, luteína e zeaxantina, zinco e cobre para retardar a progressão da doença. O uso de suplementos é indicado apenas para pacientes que apresentam sinais de DMRI, pois não existem benefícios comprovados em pacientes sem a doença.

A DMRI úmida é tratada geralmente com inibidores de crescimento endotelial (anti-VEGF) chamados antiangiogênicos. O fator de crescimento endotelial vascular ou VEGF é uma substância presente no organismo que estimula a proliferação vascular e a formação de neovasos anômalos.

Os antiangiogênicos são utilizados em casos de degeneração macular, retinopatia diabética e obstruções de vasos retinianos para impedir ou inibir a formação destes neovasos. O medicamento é administrado através de uma injeção no olho sob anestesia local – esse procedimento é conhecido como injeção intravítrea. São necessárias várias injeções intravítreas no período de meses ou anos.

Atualmente existem três drogas aprovadas no Brasil para tratar a DMRI Úmida: Ranibizumabe (Lucentis®), Aflibercept (Eylea®) e Bevacizumabe (Avastim®).

Prevenção da degeneração macular

  • Alimentação saudável e rica em antioxidantes
  • Não fumar
  • Usar óculos escuros e chapéus para proteger os olhos do sol

Gostou do texto? Mantenha-se sempre atualizado sobre as melhores escolhas para a sua vida com o nosso Blog e redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter)! Estamos te esperando.