Retrato de cachorro chow chow ao ar livre

Dra. Beatriz Terenzi

De grande porte e conhecido como o “cão-gato”, o Chow chow apresenta uma personalidade peculiar e beleza impagável. Dono da 76ª posição no ranking de inteligência canina, ele demora um pouco a aprender o que lhe é ensinado, mas basta ser paciente!

Sua marca registrada é a língua azul. Rosa quando filhote, ela vai mudando de cor a partir dos seis meses, podendo chegar a roxo.

Preguiçoso, reservado e de gênio forte, ele não é do tipo que pula no dono quando está com saudade, e somente convive bem perto de estranhos quando está perto de seus tutores. Por isso, é melhor socializá-lo com crianças e outros animais desde cedo.

Por fim, ele se adapta bem a apartamentos mas, sensível ao calor, precisa de passeios frequentes ou espaços para brincar.

Origem/história

O Chow chow é presente em esculturas e representações artísticas na antiga China. Cão de guarda durante o século XVIII, foi bastante usado também como caçador, farejador e até puxador de carroças!

Por muitos anos, essa bela raça teve sua carne comercializada como alimento e sua pele usada para vestuário. Mercados que felizmente foram extintos.

No século XIX, o Chow chow foi popularizado na América e na Europa.

Porte

  • Tamanho: 42 a 56 cm.
  • Peso: 20 a 35 kg.

Expectativa de vida:

8 a 15 anos.

Cor

Canela, castanho avermelhado, dourado, preto e creme.

Pelagem

Os pelos do Chow chow, muito densos, podem se enrolar facilmente. Por isso, é necessária a escovação semanal da sua pelagem.

A língua azul é uma das marcas registradas dessa simpática raça. Rosa quando filhote, ela vai mudando de cor a partir dos seis meses, podendo chegar a roxo. O fenômeno se dá pelo excesso de melanina na língua do cão. Porém, existe uma antiga fábula chinesa segundo a qual Deus, ao pintar o céu de azul, teria deixado cair umas gotas de tinta na terra. Os pingos foram lambidos pelo Chow chow e sua língua nunca mais mudou de cor!

Higiene

  • Banhos: devem ser semanais ou quinzenais. Atenção especial para as dobrinhas no rosto e pescoço do Chow-chow. Elas precisam ser bem secas, evitando a umidade (que pode causar inflamações).
  • Unhas: se ficarem muito grandes, podem quebrar e machucar o cachorrinho. O melhor é cortá-las sempre.

Saúde

Os principais problemas de saúde desenvolvidos pelo Chow Chow são:

  • Displasia de quadril: problema comum em animais de médio e grande porte. Pode ser evitado mantendo o peso ideal e evitando excesso de atividades físicas.
  • Entrópio: inversão da pálpebra, pode surgir de predisposição genética ou de infecções.

Comportamento

Conhecido como o “cão-gato”, o Chow chow apresenta uma personalidade peculiar que merece atenção:

  • Dono da 76a posição no ranking de inteligência canina, demora um pouco a aprender o que lhe é ensinado;
  • um pouco teimoso, responde na mesma moeda se tratado com intolerância;
  • reservado, não é do tipo que pula no dono quando está com saudade;
  • convive bem com estranhos se está acompanhado de seu dono;
  • é melhor socializá-lo com crianças e outros animais desde filhote.

Alimentação

Recomenda-se porção de 90 a 320 gramas diárias de ração para o Chow Chow filhote, até 1 ano de idade. Após esse período, é indicado o consumo de ração para cães de grande porte. Consulte o veterinário para orientá-lo sobre a dieta do seu cão.

Passeios e exercícios

Os exercícios frequentes evitam obesidade, fortalecem a musculatura e os ossos. O Chow-Chow gosta bastante de ficar deitado curtindo preguiça, então, é bom insistir nos passeios. Porém, é bom evitar períodos de muito calor e não exagerar nas caminhadas, já que ele tem tendência a desenvolver problemas nas articulações. O ideal é não passar de 45 minutos andando.

Espaço e habitat

O Chow Chow se adapta bem a apartamentos, mas, sensível ao calor, precisa de passeios frequentes ou espaços para brincar.

Meu dono ideal sabe que:

  • Posso não demonstrar, mas amo muito meus tutores!
  • Preciso de espaço e adoro ficar na minha.
  • Não me dou muito bem com estranhos, avise seus amigos!
  • Tenha paciência comigo. Eu demoro, mas entendo suas ordens.

Gostou do texto? Visite a editoria Saúde do Animal e saiba como manter a saúde do seu melhor amigo. Nossos veterinários e especialistas têm muito para contribuir. Acesse, também, nosso Facebook, Instagram e Twitter para ficar por dentro de tudo sobre o universo pet.